terça-feira, 13 de abril de 2021

Nota de Falecimento/GILSON MARCIO MACHADO

A Academia Independente de Letras e ordem literária SCRIPTORIUM declaram luto oficial em virtude do falecimento do Acadêmico GILSON MARCIO MACHADO ocupante da Cadeira n.49. A Persistência. No dia 12/04/2021, transmitindo assim nossos votos de pesar à sua família e amigos.

GILSON MARCIO MACHADO, sua memória permanecerá como referência para o desenvolvimento da arte e cultura literária brasileira, por sua vida e seus trabalhos, sendo honrado e lembrado com justiça pelo imortal que sempre foi.

São João/PE 13 de abril de 2021.

ENOQUE FERREIRA CARDOZO
Presidente fundador da AIL/SCRIPTORIUM

sábado, 3 de abril de 2021

A MULHER EM TODO O SEU ESPLENDOR por DIAMANTINO LOURENÇO RODRIGUES DE BÁRTOLO

A MULHER EM TODO O SEU ESPLENDOR: São muitos os dias nacionais e internacionais que ao longo do ano se evocam e festejam, com a pompa e circunstância que são possíveis. Para cada tema, a efeméride celebra-se no dia que, consensualmente, tem sido aceite, embora, também, já se tenham verificado alterações, como por exemplo em relação ao dia da mãe, todavia, a maioria das comemorações, nos respetivos países e/ou em todo o mundo se mantenha em data fixa.
Estabeleceu-se, internacionalmente, o dia oito de março, para se festejar a importância da Mulher em todo o mundo, para que todos os seres humanos rejubilem e prestem homenagem às Mulheres: elas próprias, incluídas nas homenagens que lhes são, justamente, dirigidas; elas mesmas, o centro de todas as atenções, naquele dia. Incompreensivelmente apenas naquele dia 08 de março de cada ano e não todos os dias, como seria da mais elementar justiça.
Paradoxalmente, aquele dia não é universalmente vivido, sentido e festejado, porque a Mulher, infelizmente, ainda não ocupa o lugar, no seio da sociedade que, por mérito próprio, tem direito, reconhecendo-se, entretanto, que, ainda que timidamente, tenha havido alguma evolução favorável ao reconhecimento da sua dignidade.
Numa visão generalista, e de muito fácil entendimento, pode-se admitir, como regra universal, que a Mulher é a pessoa que primeiro se ama, por quem se tem um grande carinho, a quem se pede refúgio, que dela se recebe amor incomensurável, proteção incondicional, compreensão e tolerância sem limites. Esta Mulher, que a maioria dos seres humanos começa a amar, e por ela a ser amado, é o primeiro porto-seguro, a nossa fonte de alegria, o nosso primeiro e grande amor, é a nossa mãe.
Esta função, este elevado e nobilíssimo estatuto, sublime e inigualável, só a ela pertence, é como que uma bênção divina, uma dádiva do Criador, a admirabilíssima missão de ser mãe, por isso, mas não só, se deveria reconhecer, na Mulher, o seu papel insubstituível, a premente necessidade do reconhecimento da sua importância e da sua dignidade, a Mulher que pelo seu “sexto sentido” consegue, quantas vezes, evitar as piores desgraças e resolver, carinhosamente, problemas extremamente complexos, no seio da família e da sociedade.

DEUS. FÉ. CIÊNCIA. por DIAMANTINO LOURENÇO RODRIGUES DE BÁRTOLO

DEUS. FÉ. CIÊNCIA: O Homem vive no mundo, movendo-se no espaço e existindo no tempo. E, se por um lado, o espaço o situa no meio natural que o rodeia; o tempo, dá-lhe um passado histórico, constituindo ambos uma espécie de estrutura dialética que, logicamente, vai ditando o futuro desse mesmo Homem.
Esse mundo concreto, histórico-linguístico, onde a experiência e a compreensão têm papéis relevantes, constitui o horizonte no qual o Homem se realiza, e se compreende a si mesmo, no Universo.
Note-se, porém, que pelo fato de o Homem se realizar como um todo no horizonte do Ser, o seu mundo é um mundo humano, e a sua história, uma história humana. Por outras palavras, a sua realização, como Homem, em todo o horizonte do Ser, só é possível porque o Homem está aberto ao Ser que, por sua vez, se lhe revela em todas as coisas e sucessos do seu mundo histórico.
O Ser é, portanto, o supremo, incondicionado e ilimitado horizonte, para o qual nos dirigimos continuamente, mas sem jamais o podermos alcançar plenamente. Como condição do horizonte do mundo está o supremo e incondicionado horizonte do Ser que, além de penetrar o mundo, transcende-o, abrindo-se à autorrealização do Homem no mundo.
O Homem vê-se, assim, envolvido no seu quotidiano, com o problema hermenêutico da inteleção da existência humana no mundo, e com o problema metafísico do ser como horizonte global: do perguntar e do saber; do querer e do operar humanos; horizonte esse supremo e incondicionado, onde a diversidade histórica dos diferentes mundos de experiência e compreensão, vai buscar o seu condicionamento e entendimento.

SE TODOS SOUBESSEM por ADILSON ADALBERTO

– SE TODOS SOUBESSEM –

***

Se todos soubessem...
O quão breve é a vida
Correria atrás dos sonhos
Um dia de cada vez viveria
Cultuava as boas amizades
Deus e harmonia em família
Trabalharia para seu sustento
Bens materiais não acumularia
De manhã cedo ia ver o sol nascer
E ouvir dos pássaros a cantoria.

***


ADILSON ADALBERTO
Cadeira n.132. A ELOQUÊNCIA

SUBSTITUÍVEL por Marvyn Castilho

– SUBSTITUÍVEL –

Hoje, eu descobri que sou substituível!
Não porque o dia teve um tetro epílogo,
Em um lúrido ocaso, na solidão de um pego,
E não porque ouvi o silêncio intangível.

Hoje, eu descobri que sou substituível!
Não porque ouvi a marafona que chorrou,
Ou porque a debalde esperança de existir um Deus findou,
No ecoar do estrépito de um estupro indelével.

Hoje, eu descobri que sou substituível!
Não porque avistei um errante refugo de homem invisível,
E hauri o seu rebotalho de desventura e clamor.

Hoje, eu descobri que sou substituível!
Quando a treda morte imponderável,
Deitou o meu estofo carnal, no seu tálamo de amor.


MARVYN CASTILHO BRAVO
Cadeira n.67. LÚGUBRE.
Em XIX de março de MMXXI. E. V.
Dies veneris.

segunda-feira, 1 de fevereiro de 2021

GENEALOGIA AIL por JOSÉ ALFREDO EVANGELISTA

– GENEALOGIA AIL –

Imortais somos todos na “Academia Independente de Letras”!
Cada um com sua persona, somos obreiros nessa jornada!
Fazemos das letras nossa literatura na solene investidura...

Na Academia buscamos com a poesia nossa idiossincrasia.
Cada letra poética versa o conhecimento do intelecto...
Aspectos de divagações lançam luzes em profusões!

Em cada persona um ícone, que retrata um poeta destemido
Entronado em sua cadeira donde produz seus sonhos reais...
Entre “confrades e confreiras”, uma plêiade literata!

No cadinho das inspirações corações poéticos vem à luz!
Genealogia balizada por seus escritores como vetores,
“Academia Independente de Letras” produtora de tantos amores!

Imortais de estirpe... De linhagem cultural, alimentam com textos,
E escoram da vida, seus diversos contextos... Com suas descendências!
Poetas /escritores, que registram com suas imortalidades...

Toda a vitalidade de inspirações a conceberem seus poemas;
Teoremas na solução de problemas pintando telas em aquarelas...
Lançando do céu a Terra um arco-íris em cores amarelas!

No ombro a ombro, escritores reunidos em genealogia sustentam
Uma Academia com suporte de cultura!... Aporte de literatura!
“AIL”: Estrutura acadêmica cujas ferramentas ostentas!

JOSÉ ALFREDO EVANGELISTA
Cadeira n.34. Homo Literatus.

ESTAFETA por Fiorelo Zanella

ESTAFETA: Estou feliz e orgulhoso por ter sido escolhido, em 2020, para fazer parte da Academia Independente de Letras. Ser membro vitalício, empossado na cadeira 135, com a persona Estafeta, vai me trazer novos horizontes na Literatura. Escolhi a Persona “estafeta”, do italiano “staffetta”, que significa “estribo”. O estafeta, já no tempo dos romanos, era o portador de correspondência postal, a cavalo. Minha persona é estafeta, pois sou o entregador dos escritos literários, o portador de mensagens, o mensageiro da palavra.

Ao escrever um livro para o leitor,
me apoio no “estribo da arte”
E como um cavaleiro inspirado pela musa
Piso com segurança no estribo das ideias,
Ergo as asas da palavra ao vento,
Percorro os caminhos longínquos da mente
E, enfim, entrego a mensagem burilada
Para o leitor ávido por mensagens.


Fiorelo Zanella
Cadeira n. 135. ESTAFETA.

segunda-feira, 11 de janeiro de 2021

Resultado do III Concurso Literário/Antologia Poética AIL/2021

É com grande satisfação que viemos por meio desde apresentar os finalistas de nosso III Concurso Literário/Antologia Poética AIL/2021. Desde já, agradecemos a participação de todos os inscritos ao mesmo que já contamos com vocês no próximo ano.

Segue lista de classificação...