sábado, 23 de maio de 2020

ANDREW por MARVYN CASTILHO BRAVO


– ANDREW – (Ao meu estimado rebento, Andrew)

É ledo a sua companhia,
No dia gris do atro cismar,
Ou no ensejo inumado na melancolia,
Donde n’alma a dolência vem abarcar.

Quando uma álgida lágrima,
No langue cenho flanar,
No epílogo da feral desdita,
No alento da morte meu ser silenciar...

Sua face pueril vou rememorar,
No alvitre do seu sorrir, vogar,
Pelo Dédalo da sua álacre lembrança, meu ser segredar.

Destarte, na lisura do seu onírico amor,
No edênico torpor...
Meu andrajo carnal gélido vai deitar.


MARVYN CASTILHO BRAVO
Cadeira n.67. LÚGUBRE.

Em I de agosto de MMXVIII. E. V.
Dies Mercurii

Nenhum comentário:

Postar um comentário